ABOUT                       RECIPES                       LIFE                       WORK                       FACEBOOK                       PINTEREST



Ou sim ou sopas.


O meu feijão parece uma couvinha tronchuda. Ou um repolho viçoso. Seis meses rijos e risonhos, para fazer jus à empírica conclusão de que os gordinhos são mais felizes*. A sopa é um dos culpados. Sem batata, para evitar ainda mais gramas. Mas há outros cúmplices: o leite da mãe e da lata, a fruta, que come sempre às duas e três peças. Com o caldo não foi amor à primeira colher. Foram quinze dias de choro, gritinhos e boca fechada mal o talher era avistado. Até ao momento em que os sabores adocicados da cenoura e da abóbora convenceram com um ponto de exclamação as reticências do meu pirata guloso. Agora é vê-lo a refilar sempre que o avião atestado desses e doutros legumes se atrasa uns milésimos de segundo a aterrar na pista coberta. Afinal, acho que já o posso apresentar à Mafalda. A filha do Quino.

*Altura: percentil 50. Peso: percentil 90! Quem nunca ouviu falar em percentis não deve ficar com problemas: até há 6 meses eu também não fazia a mínima ideia do que isso era. O percentil é, basicamente, uma medida de crescimento que os pediatras usam como referência, quer para a altura quer para o peso, sendo que o 50 é o percentil “médio”. Quando na tabela os valores do bebé ficam acima ou abaixo do percentil 50, é porque o bebé é mais ou menos gordinho e mais ou menos alto do que a média para aquela idade. Mas o mais importante é que a relação entre os percentis de altura e de peso permitem ver se o bebé está a crescer de forma proporcional e ajudam os pediatras a tomar decisões, nomeadamente quanto à alimentação dos seus pequenos pacientes.

Dúvida colorida


Todos sabemos que os bolos e as omoletes, por exemplo, ficam mais bonitos e “amarelinhos” quando feitos com ovos caseiros. No entanto, em cru, as gemas dos ovos de aviário têm sempre uma cor mais forte, quase cor-de-laranja. Quem explica?

Receita #6



Um post-receita dedicado à Sofia ;)

Tarte rápida de Atum

1 Base redonda de massa quebrada
2 Latas de atum
2 Queijos frescos
1 Embalagem de “natas de soja” ALPRO (nos hipers está ao pé das natas/leite; tem menos gordura e é 0% colesterol e 0% lactose)
3 Ovos
Milho cozido
Queijo ralado
Azeitonas e orégãos: opcional

Colocar a massa na forma de fundo amovível de acordo com as instruções. Juntar e envolver bem todos os ingredientes, à excepção do queijo ralado. Verter na forma e espalhar por cima o queijo ralado. Opcionalmente, podem-se espalhar por cima algumas azeitonas e polvilhar com orégãos. Levar ao forno pré-aquecido (+-200º) durante cerca de 40 minutos. Se a tarte começar a ficar bastante dourada logo de início, cobrir com papel de alumínio até ao fim da cozedura, para não tostar.
Servida com uma boa salada de alface, por exemplo, serve de refeição para 2/3 pessoas.