ABOUT                       RECIPES                       LIFE                       INSTAGRAM                       FACEBOOK                       PINTEREST



Cheira a café.

Pensavam que a Beira Douro era uma marca de café foleirita e provinciana, disponível apenas em cafés de aldeia?
Eu também pensava. Até que provei o melhor capuccino da minha vida e descobri que a Beira Douro é uma torrefacção portuguesa de café com muito know-how. E com muita paixão por aquilo que faz, como acontece na maioria das empresas familiares de sucesso.




Pão nosso de cada dia.



Este livro não é meu. Mas não me importava que fosse.

Pão,
com farinha,
água
e fogo
cresces.
Espesso e leve,
estendido e redondo,
lembras o ventre da mãe,
germinação terrestre do equinócio.
Pão,
que fácil e profundo és:
no tabuleiro branco
da padaria,
Estendes-te, alinhado
como utensílios, pratos
ou papéis,
e de repente,
a vaga da vida,
a junção do germe
e do fogo,
e cresces, cresces
subitamente
com cintura, boca, seios,
colinas de terra,
vidas,
o calor aumenta, a plenitude
e o vento da fecundidade
inundam-te
e então
a tua cor de ouro fixa-se,
e quando os teus pequenos ventres
são fecundados,
a cicatriz morena
deixou a sua queimadura
sobre os teus hemisférios dourados.
Agora,
intacto,
és o trabalho do homem,
milagre renovado,
vontade da vida.


(...)

Excerto da Ode ao pão de Pablo Neruda

Estas e outras coisas boas, incluindo receitas de pão e não só, no livro Pão e Cª da autoria de um famoso padeiro italiano chamado Piergiorgio Giorilli. A edição portuguesa é da Lisma - Edição e Distribuição de Livros, Lda.

Cozinhar com a Amy.

Quando o Lume Brando for grande, quer ser assim.

Adenda ao post anterior.


O meu presente!

Tchim-tchim no Bull&Bear.

Morcela com cebola e maçã. Carpaccio de novilho com parmesão e rúcula. Pescada com crosta de broa e azeitonas. Tornedós de tamboril com bacon e gambas. Pudim de mel, requeijão e doce de abóbora. Bolo de chocolate e mousse do mesmo com gelado. Farizoa branco de 2004. Se soa bem, digo-vos que soube ainda melhor. Foi no Bull&Bear, ontem, enquanto Portugal defrontava os gauleses em televisores distantes. A data impunha uma refeição a rigor e a escolha do local foi consensual. Confesso que ia de pé atrás: “vamos pagar couro e cabelo e vai ser uma desilusão”. Mas não. Pagámos, de facto, bastante. Mas não bufámos. A confecção (e a apresentação) dos pratos estava absolutamente irrepreensível. Tudo no ponto: a cozedura das batatas, dos legumes, do peixe, os temperos, a temperatura. O único reparo a fazer vai para a sobremesa que escolhi. O bolo de chocolate era muito bom (julgo que a receita está no livro que o Chefe Miguel Castro Silva publicou há uns tempos), a mousse também. Só achei um exagero a bola de gelado ser também de chocolate (e a carta não o fazia prever). Nata, apesar de mais vulgar, teria resultado melhor. Em todo o caso, o jantar foi perfeito, a condizer com a companhia.Venham mais três ;)