ABOUT                       RECIPES                       LIFE                       INSTAGRAM                       FACEBOOK                       PINTEREST



3.11.09

Bolachinhas salgadas para quebrar o jejum.



Este não era o post que deveria aparecer aqui, depois de tantos dias sem publicar. Mas de repente, como se não bastasse a mudança da hora que os encurta psicologicamente, os meus dias parecem ter encolhido definitivamente, tipo camisola de lã lavada a quente. Mais escrita no trabalho, menos escrita no blog. Por isso ainda não é desta que vou partilhar as minhas aventuras com a massa folhada e o pão de hambúrguer, duas experiências felizes que merecem ser bem contadas.

Estas cream crackers de parmesão descobri-as no Ardeu a padaria, um blog que espreito de vez em quando e que tem a particularidade de ser escrito por um - e não uma - amante da cozinha. É uma receita de Mark Bittman, com direito a vídeo, o que me incentivou a experimentá-la, com a ajuda das quantidades sugeridas pelo João Pedro Diniz.

De facto, revelaram-se muito fáceis de fazer. Só achei que podiam ter ficado mais estaladiças, mais crackers. Ficaram boas e quem provou gostou, mas faltou-lhes aquele wow factor que pensei que iriam provocar. Talvez não tenha esticado a massa convenientemente, talvez tenha sido azar de primeira vez. Mas lá que ficaram bonitas, isso ficaram :-).

Cream crackers de parmesão (Mark Bittman por J. P. Diniz)

250 g de farinha (usei sem fermento)
1 colher de chá de sal
100 g de manteiga sem sal
100 ml de natas
60 g de parmesão ralado
1 colher de chá de orégãos


Num robot de cozinha, misturar levemente a farinha, o sal e a manteiga fria em pedaços. Juntar o parmesão e os orégãos, misturar durante uns 2/3 segundos e depois, com o robot a funcionar, adicionar as natas pelo bocal, até se formar uma espécie de bola, bastam alguns segundos. Retirar e espalmar num círculo (depois disto deixei descansar uns 15 minutos). Numa superfície enfarinhada, esticar muito bem a massa com o rolo para que fique o mais fina possível (eu não consegui que ficasse muito fina, talvez daí não terem ficado tão estaladiças como deveriam; J.P. Diniz sugere que se use a máquina de esticar pasta), dando-lhe uma forma rectangular (eu estiquei directamente sobre o papel vegetal em que as levei ao forno). Dividir a massa à largura e ao comprimento em rectângulos (usei uma carretilha) e levar ao forno pré-aquecido até estarem douradas (cozi durante cerca de 10/15 minutos a 180º). Retirar do forno e esperar alguns minutos antes de separar as bolachas.

3 comentários:

Nuno Guerra disse...

:-)
Embora seja suspeito queria dizer que estas bolachinhas são pedaços de céu servidos pelos Deuses.
Mais importante que o conceito gourmet é o amor que se deposita em cada gesto!
Mais uma vez uma grande receita vinda de uma grande Mulher.
Parabéns e ate breve!
:-)

Tangerina disse...

Também vi, também pensei fazer mas também ando com a "ropa encolhida" :) e o tempo não tem rendido nada... mas as tuas estão linda!

Beijinhos,
Carlota

J P Diniz disse...

ficaram com boa cara, mas a maquineta de esticar a massa dá uma grande ajuda e ficam mais finas