ABOUT                       RECIPES                       LIFE                       WORK                       FACEBOOK                       PINTEREST



O Natal está no forno!







As minhas primeiras bolachas deste natal saíram do forno este fim-de-semana, para mimar duas grandes amigas e as suas pequenas e adoráveis princesas.
Desta vez peguei numa receita retirada de uma Blue Living antiga e gostei bastante do resultado, sobretudo porque se adaptou muito bem a esta versão lollipop.
A massa é muito fácil de fazer e as bolachas ficaram saborosas e estaladiças.
Na primeira fornada, para testar a receita, tive a ajuda do L. que, como sempre, adorou amassar, cortar as bolachinhas e comê-las mal saíam do forno, quase não tinham tempo de arrefecer!
A segunda fornada foi feita já a horas tardias, com direito a decoração colorida.
Fiz uma primeira experiência com chocolate branco derretido, mas depois fiz o glacé da receita, com água e açúcar em pó, a que juntei umas pinguinhas de limão.
Com chocolate branco ficam mais gulosas, mas com o glacé (nas fotos), ficam mais bonitas.

Bolachinhas de Natal*

300 g de farinha sem fermento
150 g de açúcar
150 g de manteiga
2 ovos

Glacé e Smarties para decorar

Pré-aquecer o forno nos 180º.
Colocar a farinha, o açúcar e os ovos numa taça.
Juntar a manteiga bastante amolecida
(derreter ligeiramente no microondas, por exemplo) e amassar com as mãos até obter uma massa uniforme e macia.
Dividir em duas porções, achatá-las em forma de disco, envolvê-las em película aderente e levar ao frigorífico durante meia hora. Retirar um disco de cada vez do frigorífico e, sobre a superfície de trabalho ligeiramente enfarinhada (ou sobre papel vegetal) esticar a massa com o rolo até ficar com cerca de 5 mm de espessura. Se for para fazer bolachas normais, estender um pouco mais, para que fiquem mais finas. Fazer bolachas com os cortantes natalícios, transferi-las para um tabuleiro anti-aderente ou forrado com papel vegetal e introduzir-lhes um palito de espetada até pelo menos metade da bolacha (eu corto os palitos em altura, antes de aplicá-los, para que a 'bolacha chupa-chupa' fique com uma proporção equilibrada; o tamanho e o tipo de palito dependem dos cortantes que utilizar).
Levar ao forno durante cerca de 12 minutos ou até começarem a dourar à volta (mas não devem dourar por todo, convém que fiquem relativamente clarinhas).
Arrefecê-las preferencialmente sobre uma rede.
Proceder de igual modo com a restante massa.
Depois de frias, decorá-las com chocolate branco derretido ou glacé
(ver indicações a seguir) e smarties 'mini'.
Deixar secar durante a noite, de preferência em recipiente tapado para não amolecerem.

Glacé branco
Para decorar

125 g de açúcar em pó
Cerca de 5 colheres de sopa de água fria
Umas gotinhas de limão


Peneirar para uma taça o açúcar. Juntar a água aos poucos, mexendo bem, até atingir uma consistência densa, homogénea e brilhante. Espremer umas gotinhas de sumo de limão para aromatizar e cortar um pouco a doçura do glacé. Espalhar o glacé com uma colher de sobremesa, alisando a superfície com as costas da colher.
Decorar com smarties 'mini'. Deixar secar um pouco ao ar e depois acabar de secar em recipiente fechado para não amolecerem.
Ainda demoram várias horas a secar, por isso o melhor é decorá-las de véspera.

Embrulhar e oferecer :-)


*Não sei dizer ao certo para quantas bolachas dá esta dose de massa, depende bastante do tamanho dos cortantes. Com estas quantidades fiz as das fotos e ainda sobrou para cerca de 25 mais pequeninas.

Laranja e chocolate: o par perfeito.




Esta sobremesa costuma fazer sucesso cá em casa.
E quando a levo para casa de amigos, também.
Mas o mérito não é meu, é do Jamie.
É uma receita adaptada de uma tarte de ricotta e mascarpone do seu livro Jamie's Kitchen (aproveito para dizer que este é um dos dois livros dele que me faltam, não vá andar por aí algum Pai Natal com falta de ideias ;-).
Como lhe mudei a massa de base e simplifiquei também noutras coisas, prefiro chamar-lhe cheesecake de laranja e chocolate.
Um cheesecake perfeito para o Inverno.

Cheesecake de laranja e chocolate

1 pacote de bolacha Maria
80 g de manteiga amolecida

250 g de queijo ricotta (1 emb.)
250 g de queijo mascarpone (1 emb.)
125 g de açúcar em pó
Raspa de 3 laranjas
2 ovos, separados
100 g de bom chocolate de culinária, partido aos pedacinhos ou às lascas
(meia tablete)

Picar a bolacha, juntar a manteiga e forrar com esta mistura o fundo de uma tarteira ou forma de fundo amovível de cheesecake. Levar ao forno pré-aquecido nos 200º uns 8/10 minutos para "cozer" esta base, tornando-a mais crocante. Retirar, reservar e reduzir o forno para os 170º.
Numa taça, misturar os queijos, o açúcar, as gemas e as raspas de laranja. Bater as claras em castelo e juntá-las a este preparado. Verter sobre a base de bolacha. Cobrir toda a superfície da tarte com raspas ou pequenos pedacinhos de chocolate
e levar ao forno nos 170º durante 40-45 minutos. Deixar arrefecer e levar ao frigorífico pelo menos 1h e 30 m antes de servir. Decorar com tirinhas finas de casca de laranja.

Uma ida ao dentista que deu em risotto.



O que se faz enquanto se espera por uma consulta?
As respostas podem variar. Há quem aproveite para fazer telefonemas, para mandar mensagens, ler um livro....
Eu, como sou uma esquecida e nunca ponho o livro que ando a ler na carteira (ler 'na mala', se não for do norte), ou escrevo headlines e bodycopies para o dia seguinte, ou folheio as revistas disponíveis na sala de espera.
O que se pensarmos bem não é uma coisa muito higiénica, ainda por cima agora, com o vírus da gripe A a espalhar-se por tudo o que é sítio.
Mas pronto, agarrar numa revista foi um acto a que não consegui resistir na minha última visita ao dentista.
E ainda bem: ao folhear uma Happy de trás para a frente, dou de caras com várias receitas de risotto, acompanhadas de fotos bastante apetecíveis.
Peguei no meu Moleskine e apontei as receitas por alto.
A que mais me chamou a atenção foi a de risotto de tomate seco, uma vez que tinha em casa uma embalagem destes tomates e ainda não tinha decidido como lhes dar uso.
Estava encontrado o prato para o jantar.
E ainda que às vezes me pareça caricato ter ido buscar a inspiração a uma revista de consultório, tendo tantos livros de cozinha em casa, o que é certo é que ficou óptimo.
Em relação à receita original, apenas respeitei a quantidade de tomate e o uso do manjericão. Quanto aos restantes ingredientes, usei praticamente os mesmos e nas mesmas proporções que sigo noutros risottos.

Risotto de tomate seco

Para 2

160 g de risotto (usei arborio da marca Gallo)
50 g de tomate seco (usei da marca Seeberger)
2 dentes de alho
500 ml de caldo de aves quente
(ou um pouco menos se usar a água de hidratar o tomate)
1/2 copo de vinho branco
60 g de queijo parmesão ou a gosto
40 ml de azeite
6 folhinhas de manjericão + algumas para decorar
Sal qb

Hidratar os tomates numa tacinha com água a cobri-los. Levar ao lume um tacho com um fundo de azeite e o alho picado. Deixar o alho cozinhar um pouco em lume médio. Escorrer e picar o tomate, reservando a água. Juntar o tomate, mexer e passado menos de um minuto juntar o risotto, mexendo para envolver o tomate por todo. Adicionar o vinho branco e deixar evaporar. Aos poucos ir adicionando o caldo
(eu usei a água de hidratar o tomate, que ficou avermelhada e ajudou a dar cor e sabor ao arroz, para perfazer os 500 ml de líquido/caldo), mexendo sempre. Deve demorar cerca de 20 minutos a cozer, devendo ficar al dente. No final, juntar metade do parmesão, ralado na altura, temperar de sal, se achar necessário e juntar folhinhas de manjericão picadas. Levar à mesa mais parmesão e um ralador para que cada pessoa o adicione a gosto.

Algo doce, para variar.



Este blog estava a precisar de açúcar. Há muito que não aparecia nada doce por aqui, o que é uma falha grave, sendo eu tão gulosa e estando o Natal a chegar.
Ora aqui está uma óptima maneira de me redimir: uma tarte de chocolate e caramelo, adaptada do primeiro livro de Clotilde Dusoulier, de que já falei aqui. Não posso dizer que é a minha forma favorita de comer chocolate, mas é uma tarte especial, de facto, com um subtil e surpreendente recheio de 'caramelo de nata'. O meu homem grande, muito exigente em tudo o que diz respeito a comida, e muito especialmente no que toca ao chocolate, diz que é de comer e chorar por mais. Vamos lá confirmar?

Tarte de Chocolate e Caramelo

Para a base:

A base da receita original é de massa quebrada, mas eu simplifiquei e fiz uma base típica de cheesecake.

1 pacote de bolacha Maria
80 g de manteiga amolecida


Picar a bolacha, juntar a manteiga, amassar até formar uma areia grossa e húmida e forrar uma tarteira de 25 cm com esta mistura, calcando bem com os dedos
(fiz na Bimby: parti ao meio as bolachas e coloquei-as junto com a manteiga - à temperatura ambiente - no copo, Vel.4 cerca de 20 seg.*). Se o forno estiver ligado, aproveite e leve ao forno uns 10 minutos, para "prender" a base e tornar esta mais crocante. Se não estiver, não se justifica ligar o forno só para "cozer" a base de bolacha, uma vez que o resto da tarte não exige forno.

Para o recheio de caramelo:

90 g de açúcar amarelo
1 colher de sopa de mel de boa qualidade
1/2 colher de chá de flor de sal
80 g de natas para bater
(ainda que não sejam para bater, têm maior teor de gordura, por isso substituem melhor o double cream da receita original)
30 g de manteiga sem sal
1 colher de sopa de água


Medir e pesar todos os ingredientes. Num tachinho de fundo espesso, juntar o açúcar e a colher de sopa de água e manter em lume médio-baixo, até o açúcar ficar derretido. De vez em quando, inclinar ligeiramente o tachinho e com um movimento suave circular fazer com que o açúcar derreta por todo, mas sem cair na tentação de mexer (confesso que esta parte não é muito fácil para quem, como eu, não costuma fazer caramelo!). Assim que a mistura ficar homogénea e com uma cor bonita (se ficar escuro é sinal de que já esteve tempo demais ao lume e vai ficar amargo), juntar o mel e mexer para misturar bem. Juntar o sal e as natas, mexendo novamente. Retirar do lume, acrescentar a manteiga e mexer para que esta se misture uniformemente. Verter este creme na tarteira, por cima da base de bolacha. Deixar arrefecer um pouco e levar ao frio no mínimo 40 minutos.

Para a camada de chocolate:

280 g de chocolate de culinária de qualidade
240 g de natas para bater
(ainda que não sejam para bater, têm maior teor de gordura, por isso substituem melhor o double cream da receita original)

Partir o chocolate aos pedaços para uma taça, preferencialmente em inox. Levar ao lume as natas num tachinho de fundo espesso e deixá-las aquecer muito bem sem no entanto chegarem a ferver. Verter metade das natas sobre o chocolate. Tapar o tachinho para as restantes natas não arrefecerem. Esperar uns 20 segundos, para que as natas quentes contactem com o chocolate e misturar bem com uma vara de arames. Voltar a verter mais uma porção de natas e repetir o procedimento. Juntar as natas restantes, misturar bem, retirar a tarteira do frigorífico e verter esta ganache de chocolate sobre a camada de caramelo, espalhando bem por todo e alisando a superfície com uma espátula. Colocar de novo no frigorífico no mínimo 1 hora, antes de servir.

*Inicialmente, por lapso, tinha dado aqui a indicação de mais tempo e maior velocidade, o que deixaria a base de bolacha demasiado ligada!